22/06/2019

Quase 3 anos depois...

Olá seres humanos...

Hoje eu resolvi revisitar esse meu mundo, que há mundo estava esquecido num canto que eu nem imaginava mais. Resolvi mudar algumas coisas por aqui, tirar algumas teias de aranha pelos cantos, reorganizar a bagunça.
Acho que vou voltar a usar aqui, mas não com a mesma frequência de antigamente, quando eu postava várias resenhas de livros. Na verdade, estava pensando em tentar escrever alguns textos pra postar aqui, coisas que vêm na minha mente e eu preciso colocar pra fora de alguma forma.
Eu tenho alguns textos escritos no meu caderno, acho que vou trazê-los pra cá.
É bom ter um lugar pra poder guardar todos eles, além do caderno.
E, quem sabe, eu não volte a publicar resenhas de livros novamente? Estou pensando nisso, mas ainda é uma ideia.

Enfim, não quero abandonar esse canto completamente, ele fez e faz parte de mim. Quero manter. Mesmo que ninguém veja, acho que vai fazer bem pra mim. Poder colocar algumas coisas pra fora, desabafar.


É isso então. 
Que saudades que eu estava daqui. 
Poder voltar é muito bom.

13/08/2016

Dia dos Pais.

Rio Bonito, domingo, 14 de agosto de 2016, 00:42.


Oi você,

Mais uma das inúmeras cartas que te escrevo. Mais uma que vai pro fundo de uma gaveta já abarrotada de tantas outras já escritas e nunca enviadas.
Na verdade, não escrevo essas cartas na intenção de enviá-las, e sim, de desafogar um pouco esse tanto de sentimento que fica guardado aqui dentro. Até porque, você já não se encontra mais aqui comigo, foi morar em outro plano.

Hoje, eu escrevo novamente pois chegou mais uma data da qual eu não consigo mais comemorar pois você já não se encontra mais comigo. Sim, eu ainda sinto a sua falta, às vezes, mas não choro mais. Não tanto quanto antes. Não soluço mais. Estou progredindo. Estou melhorando.
Sim, eu sei que já se passaram 7 anos desde que você se foi, mas eu fui te deixando ir devagar pra não sentir tanto assim. E hoje eu estou bem. Guardo de ti somente coisas maravilhosas, coisas boas, coisas lindas, coisas das quais me orgulho muito.

A casa ainda guarda muito de ti, por mais que a gente tenha mudado muitas coisas de lugar, muitos móveis tenham saído e outros tenham entrado, sua presença ainda permanece por aqui de vez em quando. E acredite, isso não é ruim. É uma sensação de conforto, de paz, de que você está sempre por aqui, mesmo longe. Cuidando, olhando, protegendo. Como sempre fez.

Mais uma data comemorativa sem você aqui. Mais um dia dos pais sem poder te presentear como sempre fazia, mas mando minha oração especial pra você. Pra dizer que te amo, que sempre te amei e sempre vou te amar.

Que você jamais se esqueça disso. Jamais.



Muitos beijos cheios de amor e saudades.

Sua filha.

28/04/2016

Medo do futuro.

Acho que eu nunca soube lidar muito bem com isso.
Essa coisa do futuro batendo à nossa porta, confesso que me assusta um pouco. Sabe quando a fase adulta começa a te cobrar certas atitudes e você não tem pra onde correr?
Pois bem...

Queria ser mais decidida, destemida. Sem medo, desprendida, sabe?
Mergulhar de cabeça mesmo. Mas o medo me paralisa.
Será que vai dar certo? Será que vou me sair bem?
Tenho medo de não corresponder com as expectativas. De ser menos do que esperam.

É uma confusão interna que estou tentando por ordem já faz um tempinho, mas tá um pouco complicado.
Senhor, dai-me sabedoria.
E que esse medo se vá. Se possível... para muito, muito longe de mim.

16/03/2016

Olá pessoas!

Boa noite, queridos leitores...


Será que tem alguém ai que ainda espera que este blog volte à ativa? Se sim, espero que se pronunciem e me dêem forças para continuar, hehehe.

Por quê continuei sumida? Enfim... eu dei uma parada nas atualizações do blog por motivos de: 

1) Estava tendo que dividir um notebook com 2 pessoas, e isso é realmente chato. Quem divide o computador com alguém, sabe do que eu estou falando!

2) Confesso que fiquei desmotivada e com preguiça! Sim, preguiça. Sabe quando você sente que está sempre postando mais do mesmo? Pois então... As minhas postagens estavam ficando repetitivas demais, e eu estava começando a enjoar disso. Não conseguia ser criativa, não conseguia achar um assunto diferente que eu pudesse trazer pra cá e dar o meu toque. Ai fui deixando, deixando...


Pois bem, agora eu queria tentar voltar a postar por aqui. Sim, voltar com o blog novamente. Mas não quero postar somente sobre livros, e sim, quero abranger outros assuntos, como moda, música, filmes, séries. E, quem sabe, até arriscar a postar alguns textos meus também, não é? Tudo bem que eu não escrevo muitíssimo bem, mas tento.
E agora eu sinto que posso ter mais tempo pra postar, porque ganhei um notebook pra chamar de meu <3 E isso vai me ajudar muito, muito mesmo. Pois agora não preciso dividir tanto o meu notebook(só com a minha mãe, às vezes, haha), então vai ser muito bom poder voltar a postar novamente.

E, espero que quem ainda me acompanhe, não desista de mim agora.

Acho que por hoje é só.

Até qualquer hora.


Beijo ;*

11/10/2015

Ciclos.

Na vida, tudo tem o seu fim. Não seria diferente com nós dois, porém, eu imaginava que seria de outra maneira, depois de ficarmos velhinhos e Deus resolvesse te levar. Mas não foi bem assim que aconteceu, não é mesmo? Foi bem antes e bem de repente. Bom, para falar a verdade, acho que, de repente não seria certo eu falar porque, olhando a situação de outro ângulo, e gente já estava se deixando aos poucos. Mas eu não queria acreditar, não queria aceitar. Finais, para mim, sempre foram um pouco problemáticos. Não gosto de despedidas, não gosto de dizer adeus, e acho que isso nunca vai mudar, por mais que ainda haja muitos "adeus" pela frente. Mas eu nunca soube lidar muito bem com essa parte, então, ver que o nosso adeus se aproximava doeu, sim. Muito! Doeu mais, porque eu vi que estava lutando sozinha por nós dois. Acho que, no final de tudo, eu estava amando por nós dois. Por isso doeu bem mais em mim do que em você, desconfio até que, em você, não tenha doído nada, pois você falou com tanta tranquilidade, como se aquilo não fosse nada demais pra você, como se estivéssemos conversando coisas banais. Na hora, não entendi. Mas depois que a gente deixa a cabeça esfriar e se permite olhar a situação de outra maneira, conseguimos enxergar coisas que estavam diante de nós, mas não víamos, pois não queríamos aceitar e ter que lidar com aquilo.
Hoje? Posso dizer que estou muito melhor, e estou cuidando de quem realmente importa pra mim: eu mesma. Cansei de me deixar em segundo plano, pois a vida passa tão depressa pelos nossos olhos que, quando vamos nos dar conta, passam-se anos, e não fizemos nada do que queríamos.
E quanto à você? Está caindo cada vez mais no esquecimento. Arranquei sua página da minha vida, pois não quero correr o risco de ficar com vontade de ler de novo. Precisamos largar tudo o que nos atrasa, nos puxa para baixo. Arrancar as páginas que não vão servir para nada.
Procurar páginas novas, livros novos para escrever novas histórias.
Recomeços são maravilhosos, e fazem parte de nós, assim como os términos.
Porque, para que um novo ciclo possa se abrir, um terá que se fechar.